A Líder

17º Episódio
Capitulo I

Os bruxos partiram nos deixando sem ação diante de tão grande calamidade que era ter que lutar com os espíritos de alguém que amamos muito e que já haviam morrido.


Estávamos todos estatelados no chão com muitas dores pelo corpo e a pior dor que sentíamos era em nossos corações.
 Dseyvar nos chamou para levarmos Elessar e Last para algum lugar onde poderíamos curar suas feridas. Last estava quase morto, mas se conseguíssemos curar Elessar ele poderia fazer algo pelo vampiro. 
Estávamos nos preparando para tentar fazer duas padiolas para carregar nossos amigos até um local seguro quando à uns vinte metros de nós surgiu uma luz muito forte e um tanto amarelo alaranjado. Dela saiu duas sombras que se projetaram em nossa direção e vieram correndo para onde estávamos. 

Dseyvar, Tempest, Magno e eu estávamos todos feridos, mas mesmo assim nos preparamos para lutar. Fizemos uma formação para enviar uma carga de poder com o que restava de nossas energias. 
Quando lançamos sobre as sombras a energia em espiral que conseguimos criar com nossos poderes em equipe... Reconhecemos as sombras... Eram os ciganos Mah e Mat... Desviamos quase em cima deles o nosso poder para o outro lado, criando uma grande clareira ao dizimar algumas arvores que sobraram da destruição causada pelos magos negros. 

 Como se tivessem combinado surgiu ao nosso lado um belo elfo  com longas  lãs vermelho alaranjado e vestes esvoaçantes que mais parecia uma miragem.
Segurou nas frontes de Elessar por uns segundos, depois pegou Tempest nos braços e partiu dizendo que ela logo estaria bem. enquanto o olhávamos espantados sem saber o que dizer. 
Aproveitando que estávamos todos juntos, Mah girou seu bastão e nos levou dali para o acampamento cigano direto para a tenda do Kaku. 
Ele rapidamente tentou nos ajudar, mas pedimos que medicasse primeiro Elessar para que ele pudesse curar o vampiro. Kaku pediu que deixássemos Last fora da tenda dele. As energias negras do vampiro poderiam atrapalhar suas magias de cura. Nos deu uma padiola para que o colocássemos e o levamos para fora  Magno ficou com ele e o Kaku começou a tratar da ferida do elfo. Mah nos contou como nos encontrou:

- Como vocês não puderam me levar por eu não ter um poder que protegesse minha matéria, eu disse ao senhor Kaku qual era o meu poder e pedi que ele me ajudasse a enviar meu espirito até a montanha, porque eu nunca havia feito sozinha, e essa  não era a hora para eu tentar esse feito, em um momento tão desesperador. Ele aceitou me ajudar e me hibernou. Eu enviei minha essência para procurar vocês, estava com mau pressentimento e encontrei realmente vocês em perigo com aquelas sombras tenebrosas. Então voltei rápido para o corpo, mas ainda teria que me acordar, por isso demorou um pouco e também tinha o caso de eu não conhecer a montanha, mesmo tendo estado lá com minha essência eu não saberia certamente como chegar lá, se eu fosse me perderia. Fiquei em um dilema terrível... Até que tive a feliz ideia de tentar me lembrar das coisas que vi por perto e lembrei-me da grande pedra em formato de águia. 
Falei dela com o Senhor Kaku. Ele chamou Mat e perguntou se poderia me explicar como chegar à pedra da águia?
Mat achou melhor me levar, a me ensinar e sair errado! Pediu-me que usasse meu bastão na intenção da certeza dele sobre o local. O Senhor Kaku me ajudou a fazer isso e chegamos até vocês. E agora o que vão fazer? Voltar para Uhat não é? Estão muito machucados para procurar o portal.

Eu disse a ela que sobre o portal, poderíamos dar por perdido para sempre, porque os magos nos obrigaram a usar magia, então nunca encontraríamos o portal. Mah se afastou um pouco de nós foi para junto da janela e ficou lá alguns minutos. Para meu entender ela não queria que eu notasse sua tristeza e decepção. Depois voltou com aquele sorriso desse tamanho como se estivesse tudo bem.
Nesse ínterim, Elessar despertou: O Senhor Kaku havia feito o que podia por Elessar.
Ele apareceu na porta todo enfaixado e assustado em nos ver feridos...

E... Infelizmente ele se lembrava de tudo que aconteceu há algumas horas atrás.
Elessar nos perguntou se estávamos bem? Respondemos que sim, porém Mah retrucou dizendo a ele que era só olhar para nós que ele poderia deduzir. 
Depois perguntou como estava a barriga dele preocupada.
Elessar respondeu que não se preocupasse com ele.

Vendo a força daquele elfo que eu gostava de uma maneira tão especial.
 Eu disse triste que teria sido melhor que eu estivesse morta... Porque nem com toda mudança que ocorreu em meu corpo me deixando maior, mais musculosa não consegui ajudar a deter o mago, pior ainda essa mudança fez com que eu esquecesse como usar meus poderes mortais. E comecei a chorar...
Mah me deu uma tapa na cara e perguntou se eu estava querendo desistir...·.
Eu não consegui responder...

Mah me disse gesticulando muito aborrecida com minha atitude: que dentro da nova casca que eu havia conquistado, estava aquela jovenzinha corajosa que ela conheceu em Uhat e que eu deveria aflora-la ao invés de chorar como uma cria. Pediu-me que eu não deixasse morrer aquela elfa fria e arrogante que possuía o desejo de ser a melhor!
  Que eu havia conseguido isso! 
Então, eu deveria usar com todas as minhas forças. Disse que meus amigos precisavam de mim e dos meus poderes mortais.
Tudo bem que eu havia crescido mudado e ela amava isso, mas me ver desistindo ela não iria aceitar depois de tudo.
Eu virei o rosto tentando enxugar as lágrimas... Mah foi até a mim e me deu um forte abraço e me disse

- Sigel! Voce não está sozinha nessa estória! Temos que ser fortes e unidos, agora mais do que nunca! Voce tem Elessar, Dseyvar, Magno, tem a mim e tem o Vampirão! Ou voce acha que ele vai nos deixar logo agora? Claro que não!

- E tem a mim também minha pequena corajosa – disse Sion que acabara de chegar chamado por Kaku para ajudar.

Eu me calei! Não havia palavra que coubesse nesse momento.
Elessar que estava um pouco melhor dos ferimentos, veio até mim e me abraçou forte em silêncio; Depois de alguns minutos ele disse olhando firme para cada um de nós com convicção:

= Nos vamos conseguir destruir esses magos negros! E faremos isso com as nossas próprias mãos, nos estamos juntos, e iremos acabar com isso junto! Você nunca estará sozinha eu prometo! E para que nós estejamos todos realmente juntos, eu vou trazer Last de volta.

Elessar disse isso enquanto limpava as lagrimas do meu rosto depois foi até o Vampiro para curá-lo.
Todos nós o olhávamos sair encantados e emocionados com aquela afirmação. Ele mais uma vez havia escolhido o coração ao invés da razão.

-Sim nos iremos fazer isso junto, obrigada Mah!

Eu disse me levantando e abrindo um pequeno, mas confiante sorriso.

- Mas antes precisamos cuidar desses ferimentos!

Disse o mago Sion e foi examinando cada um de nós. Ele perguntou por Tempest.
Eu contei que um Elfo de lãs vermelhas e vestes esvoaçantes a resgatou e levou com ele muito rápido nos dizendo que ela ficaria bem. Sion nos disse que se tratava de Elros o elfo do deserto e que ele saberia como curar a Elfa da tempestade, pois são da mesma dimensão elfica.

Capitulo II  

Nisso Uma chuva começou a cair com muita intensidade enquanto Sion estava cuidando de nossos ferimentos. Parecendo que tudo estava mais triste ainda. Elessar e Magno levaram Last para junto dos cavalos onde havia uma cobertura.
Dseyvar estava cabisbaixo e perguntou com muita tristeza:

- O que faremos agora? Sinto-me tão perdido.

Faça o seguinte jovem Elfo: dê tudo de si para destruir os magos e salvar do “narak” o espírito de seu ancestral!  Assim como todos aqui também fará. Mesmo estando preso pela magia do bruxo ele te ama e você também o ama, então use esse amor pra fazer você ficar forte, Todos darão o Máximo de si assim que Elessar trouxer o vampiro Last de volta.

- Obrigado Sion! Nós iremos sim! Faremos isso juntos, se um cair todos cairão, entretanto se um continuar em pé esse que ficar, terá a obrigação de levantar os outros, assim como voce e a ciganinha fizeram.

Falou o jovem elfo Dseyvar e a cigana Mah concluiu:

- Estamos todos unidos aqui nestes local como se fossemos apenas um! 
E isso tem um motivo: “A nossa amizade” façamos de tudo para que nenhum de nós se perca! Lutaremos ate a ultima gota de sangue. Mas vamos limpar o caminho que nos levará ao portal da salvação do meu cigano.

- Voce ainda acredita que conseguiremos? Perguntou Dseyvar.

- Claro que acredito. Foi pedido que não usássemos poderes de magia enquanto não encontrássemos o portal. Certo?
 Mas ninguém nos pediu que morrêssemos nas mãos de um ser repugnante sem usá-los. Porque mortos não precisaríamos encontrar portal nenhum.

- Bom parece que já temos um líder. – disse Sion sorrindo

- O que? Como assim líder? – pergunta Mah um tanto confusa.

- Nos somos um grupo, e todo grupo tem de um líder, e você é um ótimo líder cigana Mah – disse o mago Sion

- Que isso Mago! Se entre nós têm alguém que seja um líder, é você ou Elessar. 

disse Mah envergonhada.

-Sem mais blá blá blá Cigana! Todos estão a favor? – perguntou Sion.

Nós concordamos com a posição de Mah. Mas como sempre ela tem outros “mas” e disse:

- Genteee! Parem para pensar! Eu sou apenas humano, não possuo poderes mágicos para uma emergência como a de hoje. Não vão permitir que eu vá e nem eu pediria que fizessem tamanha loucura; carregar um humano que só iria atrapalhar em uma luta, porque precisariam defender-me durante uma batalha.

- Mah! Ciganinha cheia dos “mas”! Voce não levará sua matéria queridinha! Escolha um dos amigos e peça licença para compartilhar com ele a sua matéria.

 Falou Sion;

- Ah tá! Então tá! Não pensei nisso. Se permitirem acompanha-los desse modo; Eu escolho desde já o elfo Dseyvar. Porque já conheço a manha dele.

- Eu? Mah!  Voce me tolhe e me sufoca!

- Calado Dseyvar o mago me mandou escolher um e eu escolhi voce!

Depois de dizer isso Mah saiu e foi até Magno que esperava rezando que Elessar conseguisse salvar seu Mestre Last.
A ciganinha ficou em silêncio com a mão sobre o ombro de Magno até que ele terminou a oração e a abraçou. Mah sentiu as lágrimas dele molharem seu rosto e disse carinhosa, mas com firmeza.

- Olha aqui Cigano! Vamos já parar com essa frescura que o vampirão não vai passar dessa pra melhor! Pelo menos não por esse ferimento. Primeiramente porque eu acredito no senhor Elessar e “segundamente” 
PORQUE EU NÃO ADMITO QUE ELE NOS DEIXE NESSA ENRASCADA SOZINHOS. OUVIU SENHOR VAMPIRÃO?

Mah falou olhando para Last que continuava fora do corpo enquanto Elessar fazia tudo para trazer seu amigo de volta. 
Ele sabia que sua Anárion morreria de tristeza se ele partisse. 
Como se tivesse ouvido as ordens da cigana as presas e as garras do vampiro afloraram! Mah mostrou isso a Magno que estava de cabeça baixa.
Magno olhou para ele inerte na padiola oferecida pelo Senhor Kaku. De repente ele disse convencido e tentando convencer do que falava:

- Elessar! Ele precisa de seu “alimento”! Na mansão tem em estoque.

Elessar falou que não poderia ir até a mansão, porque ferido assim não conseguiria atravessar as paredes da mansão. Mah falou para ele que Sion estava na tenda e foi correndo até lá pedir que ´Sion fosse até a mansão buscar o “alimento”.

Eu que estava tendo meus ferimentos enfaixados naquele momento disse a Sion que não adiantaria ele ir, porque aqueles “alimentos” do estoque de Last eram de sangue de faisões. E que ele precisaria de sangue mais forte e com energia diferente que as energias dos animais.
Pedi que Sion terminasse rápido que eu precisava fazer uma coisa. Sion se apressou com as últimas faixas e perguntou o que eu iria fazer. Eu respondi decidida.

- Vou alimentar um vampiro!

Ficaram me olhando sem entender.

Cheguei onde estavam e pedi licença a Elessar!
Os outros que vieram mancando atrás de mim curiosos, esperavam em silêncio o que eu iria fazer...
. Elessar percebeu o que seria e tentou me impedir. 
Mas como minha amiga cigana pediu. 
Eu aflorei aquela jovem corajosa, pedante e fria. Me coloquei na frente do Elfo. Em seguida me abaixei junto de Last que estava transparente e mais gélido que o normal... Rasguei meu pulso com a garra do indicador e cheguei o braço nos lábios dele, meu sangue esguichou com força direto na boca do vampiro que eu abria com a outra mão forçando o queixo dele para baixo. 

Elessar tentava me afastar do vampiro sem conseguir, porque eu estava decidida.
Eu pedi que ele me largasse, porque eu sabia o que estava fazendo, que já havia feito isso e logo eu iria parar. 
Como magia; as artérias do vampiro latejaram tomando forma sob a pele pálida. Seus músculos revigoraram, de repente Last abriu os olhos e respirou puxando o ar com desespero... Eu continuei deixando meu pulso sobre seus lábios diante do olhar apavorado dos meus amigos. 
Sion que veio saindo olhou-nos e disse:

- Elessar ele vai...

O Mago Sion não teve tempo de terminar o que iria alertar a Elessar... 
 Last  num rompante  sádico segurou meu braço de repente e começou a sugar meu sangue com força.

Elessar se preparou para soca-lo e assim obrigá-lo me largar com a pancada. Mas o Cigano segurou o braço dele e disse:

- Não!!! Deixa-o!

......

FIM 

 Da segunda parte das Aventuras de Sigel

Com participação especial de KAKU e ADRIEM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Encanto e Decepção do Cigano Magno

Uma nova Besta?

Quem é Adriem?