Akebia

14º Episódio
Capitulo I

Os Heróis ficaram desesperados! Estavam impossibilitados de usar magias.

Com um piscar de olhos Elessar poderia se transportar até a grande ave e recuperar sua amiga, mas se fizesse isso não salvaria Magno.
Porque era terminantemente proibido que usassem magia ou não encontrariam o portal dos anjos. Elessar perguntou com uma ponta de esperança:

= Algum de vocês reconheceu a ave? Era Last? Por Elentari!

Magno imediatamente disse que não! Que não havia reconhecido seu mestre nessa ave. Então nem precisaria mais perguntar aos outros, a palavra do cigano era certa.
Mat falou que não daria para esperar que precisavam resolver o que fazer bem rápido.
Magno deu a ideia de que eles se separassem, desse modo:
*Ele iria com Dseyvar seguir os rastros do pássaro que raptou Sigel
*Elessar e Mah iriam até a montanha. 
Por razão que: Dseyvar é um rastreador e Mah com Elessar estaria protegida. Elessar aceitou a ideia e foi até o Senhor Kaku para perguntar como era exatamente a flor, ele precisava reconhecer a orquídea, pois existem milhares de espécies.

O Senhor Kaku disse que essa orquídea era de uma espécie rara e que foi plantada pela Deusa Freya: Tratava-se de uma orquídea que nascia de uma trepadeira graciosa e frágil, um exemplar feminino, sua flor era tingida de violeta, com os carpetos amarelo ouro e um intenso aroma doce. Essa orquídea era da espécie dióica (são flores masculinas e femininas em plantas distintas), Que a Deusa Freya a chamava de “Akebia”.

O detalhe que levaria Elessar a certeza de que estava com a flor certa era que:
Se algum exemplar masculino a tivesse inquietado em seu retiro A “Akebia” produziria frutos ovais com sabor de mel, carnudos, de casca roxa quando maduros e com cerca de 5 cm de comprimento. Esse detalhe iria permitir identificá-la.

= Em que altura ou local da montanha ela nasce? - Perguntou Elessar

- Ela nasce em uma fenda no mais alto pico e só existe uma flor, (que não tem vida longa,) voce terá que encontra-la e logo usar na Elfa ou não dará mais para surtir o efeito desejado. Se a flor perder toda a vida não adiantará o sacrifício.

O senhor Kaku deu duas montarias a Elessar e Mah para que chegasse bem rápido a montanha de gelo.
Ao chegarem a base da montanha eles deixaram as montarias e seguiram a pé.
A dificuldade era muito grande porque eles estavam carregando peso, como:
Mantas, armas, ganchos, cordas, alimentos e uma redoma para proteger a flor afinal iriam enfrentar várias tempestades de neve.

Apesar de toda dificuldade a viagem não teve tropeços que não fossem causados pela natureza assim como:

*Escorregões nas encostas que quase os matou!
*Afundamento na neve!
*Passos em falso, sede, 
Porque tudo estava congelado! Sem contar o ar que era rarefeito. Não tanto para o Elfo Elessar, mas para a ciganinha corajosa que dizia sempre que estava tudo bem! Quando Elessar perguntava ao vê-la soprar ar quente nas mão para aquecer os dedos que ficavam com as pontas duras e sem tato.

Ao chegarem ao pico, Elessar avistou uma fenda, sem demora prendeu a corda com um gancho que foi oferecido pelo cigano Mat e desceu até o local onde ele torcia que fosse ali que nascia a orquídea:..
Após descer uns cem metros Elessar encontrou a “Akebia” !

Ele ficou deslumbrado com a beleza da flor. Fez uma oração para a Deusa Freya porque ele iria arrancar a única flor que existia, quando tocou no caule com todo cuidado ela exalou um aroma doce que parecia entrar por seus poros e o fazer feliz. Elessar colocou-a com todo carinho na redoma de vidro fechou com a tampa especial que ele fez com tranças de cipós para que ela respirasse. 
E subiu até onde Mah o esperava.

Mah ficou encantada com a beleza e o aroma da orquídea e pediu que Elessar tivesse cuidado em carrega-la.
Elessar seguindo o aviso de sua amiga fez um “boldrié” (uma correia atravessada de um lado do pescoço para o lado oposto do corpo e passando por baixo do braço) e começaram a descer a montanha com cuidado porque a neve estava firme e escorregava muito.
Não tinham descido ainda nem a terça parte... Quando eles ouviram um rosnar medonho...
Elessar olhou para trás e viu uma grande sombra se aproximando muito rápido... Ele só teve tempo de puxar a ciganinha e protege-la com o seu corpo.
Era uma “gárgula”!

O monstro pegou Elessar pelos ombros... 
As garras afiadas da “gárgula” rasgou toda parte do ombro até o pescoço do Elfo... Ela voou alguns segundos carregando-o, em seguida soltou-o e voltou num voo rápido e rasante... Em direção à ciganinha que se jogou no chão fazendo a gárgula bater contra as rochas. Enquanto o monstro estava tonto ela desceu rápido para tentar acudir Elessar que havia rolado montanha abaixo tendo a queda aparada por uma saliência na rocha.

Mah pensou no que poderia fazer para chegar rápido ou Elessar poderia morrer sangrando. Ela retirou o casacão de lã que usava, forrou no gelo, sentou em cima, segurou uma ponta por entre as pernas como se fosse uma rédea e deu impulso! Isso fez com que ela descesse velozmente escorregando sobre o gelo.
Quando chegou lá baixo... Elessar estava inerte! Morto...

As garras da gárgula matou o Elfo mesmo antes que ele rolasse montanha abaixo... Mah arrastou o corpo do elfo e colocou sobre o casaco que ela havia usado para descer a montanha. Chorando a ciganinha passou a mão sobre o rosto dele pedindo perdão a Deusa Freya por ter sido a causadora da morte do elfo tão querido por todos.
Junto a Elessar ainda estava presa no “boldrié” a redoma quebrada com a  frágil “Akebia” despedaçada...

Com Elessar ao seu lado morto... E a flor despedaçada Mah chorou sem saber como voltaria sem seu amigo Elessar nem como iria dizer para os Elfos sobre a morte do seu Rei.

Capitulo II

* A ciganinha possuía  a orquídea mágica da Deusa, mesmo que despedaçada ainda poderia fazer efeito para que eu não me tornasse uma fera.!

*Se ela descesse a montanha bem rápido e levasse a flor poderia pelo menos salvar uma vida. Mas ela não faria isso!

Não a nossa Mah Esperanza!

A Cigana  tinha muita fé! Quando ela queria algo, ela acreditava com todas as suas forças... Então em um apelo desesperado Mah orou à Deusa Freya esperando um milagre.
**********
Oh poderosa senhora!
Eu possuo a sua flor “Akebia”
Mas não posso me sentir uma vencedora
E levar a salvação a minha amiga...
Quando ela souber que seu amado elfo está morto
Vai preferir estar morta também
Sei que ela não irá aceitar uma salvação que foi tão caro?
Um preço que pesará em meu coração para sempre.
Ajude-me minha senhora!
Eu farei uma escolha e preciso que tenha êxito
Esta é a minha única chance não deixe ser em vão
Como poderei viver com o sacrifício de um inocente?
Perdoe-me minha senhora!
Mas... Eu não levarei essa flor a Sigel.
Sei que a senhora ira me atender.
E irá devolver a vida do meu amigo!
*******
Ao terminar a oração Mah Rasgou as vestes de Elessar ficando horrorizada com a dilaceração do corpo dele pelas garras daquele animal asqueroso, mas com muita coragem e fé amassou a flor sobre as mãos para que tivesse a maior quantidade de sumo possível. Em seguida esfregou sobre a ferida que sangrava sem parar... Estava muito feia,  ela podia ver os nervos e músculos dos ombros e parte do peito dele. Por fim espremeu sobre os lábios do elfo o que sobrou da pequena flor.
E esperou...

Nada aconteceu!

As esperanças da ciganinha estavam se dissipando com os minutos. Ela sabe que em um humano, quando o coração para de bater, a circulação é interrompida na mesma hora. Nos três primeiros minutos, a recuperação é quase certa, porque o organismo tem reserva de oxigênio e nutrientes. Mas isso logo acaba e as células param de funcionar. “Isso em um humano”... Ela não conhece o metabolismo de um elfo. Em um humano depois de cinco minutos o dano é permanente. Quanto tempo levaria um elfo para essa recuperação?

Mah já estava congelando, não tinha mais sua mochila que se perdeu no caminho, Elessar também não estava com a dele. Já haviam passado muito tempo e ele não voltou a respirar. A única coisa que aconteceu foi que o sangue parou de jorrar, mas isso também é uma situação de morbidez.

Mah puxou o elfo pelos braços arrumou melhor sobre o casaco e começou a descida arrastando o corpo. Mas o frio era muito grande... De vez em quando ela precisava para e dar alguns pulos girando os braços para aquecer o sangue.
Já estava anoitecendo... Mas ela não desistiu de Elessar.
Continuou arrastando-o até que encontrou uma gruta.
Mah entrou, examinou a gruta, a entrada era bem estreita. Então ela arrastou o elfo com sacrifício para dentro da gruta e o acomodou bem no canto. 
Ela pensou que ali seria um bom lugar para sepultá-lo porque tinha acesso difícil aos animais que comem mortos. E quando ela dissesse aos seus que ele morreu viriam busca-lo para um enterro digno.

A ciganinha arrumou bem o corpo dele sobre seu casaco enquanto fazia uma oração cigana de despedida. Em seguida juntou várias pedras e colocou em volta do corpo, a claridade era quase nenhuma, ela precisava ser rápida antes que ela não visse nem mesmo um palmo diante de seu rosto. Delicadamente ajeitou as lãs do elfo sobre o corpo. Mah havia rasgado as vestes dele com os cacos da redoma quebrada e ao passar a mão sobre o ombro do elfo para arrumar suas lãs, ela sentiu que não havia mais o enorme buraco em seu ombro feito pela gárgula....

Com o coração aos pulos pegou a mão de Elessar para tomar seu pulso... Mas não havia nenhum batimento, a pele do elfo era gélida, nem mesmo um tênue calor emanava de Elessar. Desolada Mah ajoelhou-se ao lado dele, retirou algumas pedras que serviam de proteção para o corpo, sentou meio de lado e puxou o corpo do elfo colocando a cabeça dele sobre os joelhos e ficou assim por toda noite sendo aquecida como dava, pelo casaco que estava embaixo do elfo. Mah continuava com sua fé e rezando para a Deusa da orquídea para que Elessar vivesse! 
De frio e de cansaço ela adormeceu abraçada ao corpo inerte do elfo.

Mah acordou... A claridade invadia a pequena gruta.
Ela ainda estava sentado no mesmo lugar abraçada ao elfo, mas...
Ele estava de frente para ela!!!! E tinha o braço em torno dela. Mah gritou:

- ELESSAR!!!!

O Elfo deu um salto e levantou perguntando atordoado...

= O que houve cigana?

Mah se levantou também deu um forte abraço no elfo dizendo sem parar:!

- Obrigada Senhora Freya! Ele está vivo! Ele está vivo! Eu acreditei!

- O que aconteceu Cigana?? aahhrffff o que é isso?

Perguntou Elessar ainda atordoado sem lembrar bem o que havia acontecido.

Mah com a euforia própria dela, contou a ele tudo que havia acontecido despejando palavras como um cântaro que jorrava sem parar e com a felicidade irradiada em seus olhos claros. Entretanto, a seguir... Mah abaixou a cabeça triste: Elessar perguntou segurando em seu queixo e suspendendo seu rosto:

= O que foi Cigana? O que fez sua felicidade partir como uma águia !

Mah respondeu visivelmente desolada.

- Eu vim com você para ajudá-lo na missão de salvar Sigel... E só atrapalhei! Voce quase morreu e Sigel será uma fera hoje a noite....

Ao ouvir isso, Elessar lembrou tudo e se desesperou....

= O QUE? Sigel!!! Vamos então Cigana! Sem demora. Preciso fazer alguma coisa.

Os dois desceram a montanha em silêncio. Quando chegaram a base da montanha de gelo. Elessar pediu que Mah ficasse escondida, enquanto ele procurava as montarias que eles deixaram soltas. Ele sabia com certeza, que  as montarias estariam junto aos cavalos selvagens que existe no vale do pé da montanha.

Dito e feito! Minutos depois, Elessar apareceu montando e puxando a outra montaria para Mah
Cavalgaram em toda velocidade de volta ao acampamento de Mat onde era seu ponto de encontro.
Chegando lá encontrou Magno e Dseyvar triste e acabrunhado.
Elessar perguntou enquanto saltava da montaria:

= Onde está Sigel??

 Não a encontramos! Last está a procura dela.

= Não conseguiu seguir os rastros Dseyvar?

- Não Elessar! Tentei tudo para conseguir, mas é uma ave. Por isso Magno chamou Last.

 - Trouxe a orquídea Elendil?? - perguntou Mat;

= Encontrei amigo, mas aconteceram  coisas... Não a tenho...

Magno falou decidido:

- Vamos acabar logo com isso!!! Vamos procurar Sigel do nosso jeito. Que se dane o portal, não vou ficar de braços cruzados sem saber onde está minha amiga.

Ao terminar de dizer isso Magno se preparou para se transformar no belo Sunahara.
Mas nesse momento chegou Last em sua forma demoníaca e pousou no acampamento se transformando em seguida no belo Vampiro de olhos indecifráveis. Last estava quase totalmente transparente por estar acordado durante o dia. 

Elessar perguntou aflito:

= Encontrou Sigel?
  
Last caiu hibernando....

Faltavam poucas horas para o  crepúsculo.....

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Encanto e Decepção do Cigano Magno

Uma nova Besta?

Quem é Adriem?